Entrevista com o diretor da Obra Cultural da FUNIBER, Federico Fernández

Entrevista com o diretor da Obra Cultural da FUNIBER, Federico Fernández

O diretor da Obra Cultural da FUNIBER, Federico Fernández, explica as exposições atuais que estão à disposição do público e como elas se adaptaram às restrições derivadas da pandemia da Covid-19.

Como a pandemia da Covid-19 afetou as apresentações e inaugurações itinerantes da Obra Cultural FUNIBER?

A adoção de medidas contra a Covid-19 nos surpreendeu com muitas exposições em andamento e outras que estavam programadas. Aqui na Espanha coincidiu com a exposição da pintora Anna Tamayo em Ponferrada, que Anna e eu inauguramos pessoalmente com a ajuda de vários meios de comunicação, imprensa e TV. Chegaram a nos conceder uma longa entrevista na TV em que nos acompanhou o chefe de atividades da Universidade de León (ULE), professor Cesar Ordóñez.

Com as medidas contra a Covid-19, estas exposições, bem como outras na mesma situação, permaneceram nos seus locais de exposição, fechadas ou com uma visita muito limitada e controlada. A exposição de Anna foi para a sala do Ateneo Cultural El Albéitar de León depois de aguardar as medidas que o permitiam, inaugurando o reinício da atividade expositiva.

Em Laredo (Espanha) foi exposto o “O cântico do Sol e As maravilhas acrósticas” na qual participei pessoalmente na apresentação com máscara, controle de distância e participantes. A sessão foi gravada pela Câmara Municipal de Laredo e transmitida nas redes.

As apresentações presenciais foram suspensas, por implicarem risco pessoal para o artista, pelas viagens, pelo público em locais fechados e pelas medidas mais restritivas nesta área.

 

Quais medidas de segurança foram tomadas nas últimas exposições?

Atualmente, várias exposições estão em exibição em diferentes locais da Espanha e da América, sem as medidas acordadas, pelo que os diferentes escritórios nos solicitam a exposição para desenvolvê-la de acordo com os regulamentos de sua região ou país.

Na Guatemala acontece a exposição “Tàpies, coleção do gravurista Barbarà”. No México está a coleção “do excêntrico ao absurdo” de Goya e Dalí com as medidas de substituição de apresentação presencial pela virtual.

Em León, continua aberta a exposición de los artistas Joán Ponç y Jaime Muxart, que substituiu a mostra “Ainda surpreendente“, de Picasso, que, segundo a imprensa, teve uma participação controlada, mas ainda maior do que as anteriores.

 

Que novas exposições você está preparando para os próximos meses?

A exposição de Picasso ” Aún Sorprendo” está pronta para iniciar uma grande turnê pela América, por ocasião do Bicentenário da Independência.

O “El Canto del Sol” de Miró voltou à Espanha e está exposto na UNEATLANTICO, instituição pertencente à rede FUNIBER. “Las maravillas acrósticas”, também da Miró, está disponível para exposição na Espanha.

A exposição “Dalí Frente a Miró” voltou da América e será apresentada na UNEATLANTICO e em diferentes espaços espanhóis.

Encontram-se em fase de enquadramento uma nova exposição de Antoni Tàpies e do gravador Joan Barbarà e uma grande exposição de gravuras de Antoni Clavé com obras dos anos de 1949 aos anos 80.

Como as coleções retornam depois de anos na América, elas serão exibidas na Espanha e novas exposições serão renovadas para o continente americano.

 

Com a vacinação progressiva da população, é esperada a transferência das exposições mais recentes para mais países?

Claro, quanto mais segurança, maior será a demanda por exposições e, quando for o caso, shows ao vivo.

Esperamos que a “normalidade” seja imediata, que revitalize a atividade cultural, embora de nossa parte não tenha parado um segundo neste longo ano de pandemia.

 

Que iniciativas você conhece que foram realizadas durante a pandemia para promover a arte sem ir a museus ou galerias?

Desde o início da pandemia, as viagens pessoais e a participação nas inaugurações foram evitadas, substituindo-as por vídeos de apresentação feitos na Espanha. Fizemos apresentações virtuais para Campeche (México), Guatemala, República Dominicana e para León e Ponferrada (Espanha).

No caso de León e Ponferrada, foram feitas conexões diretas com autoridades e jornalistas e uma longa entrevista com a TV, que está disponível nas redes.

Como caso especial, destaca-se a exposição virtual realizada pela FUNIBER, as embaixadas do México em Gana e El Salvador e a Embaixada da Espanha em Gana.